Quando um bebé não chega

Fertilidade.jpg

A chegada de um bebé é para muitos casais um momento aguardado com grande expectativa. E sendo um processo natural, a maioria das pessoas assume que é possível engravidar assim que se interrompem os métodos contraceptivos. Mas nem sempre é o caso.

10% a 20% dos casais portugueses não consegue engravidar ou levar uma gravidez a termo. A infertilidade é diagnosticada quando a concepção não acontece naturalmente ao fim de um ano de relações sexuais regulares sem contracepção ou quando existem três ou mais abortos espontâneos consecutivos. E apesar de ser relativamente comum, não é uma experiência fácil para quem passa por ela, chegando mesmo a quebrar algumas relações.

Para a medicina convencional as causas da infertilidade podem estar relacionadas com problemas femininos, masculinos ou de ambos e podem ir desde problemas simples como stress ou hábitos pouco saudáveis até problemas mais complexos como desequilíbrios hormonais, fibromiomas ou produção insuficiente de espermatozoides. E pode acontecer mesmo depois de já se terem tido mais filhos.

Mas e quando os exames dizem que está tudo bem e mesmo assim não se consegue?

Para a medicina chinesa, infertilidade significa muito mais que a incapacidade de ter filhos – significa desequilíbrio. E quando se quer muito ter um bebé e mês após mês o desejo não se concretiza, não é só o corpo que precisa de tratamento, é também a ansiedade, a frustração e a tristeza. É com base nesta ideia que, através da acupunctura (recomendada pela Organização Mundial de Saúde para a infertilidade), fitoterapia e dietética se trata cada pessoa como um todo – física, mental e emocionalmente.

Acima de tudo, para gerar uma vida, temos que estar saudáveis e a medicina chinesa assegura o equilíbrio, quer seja de forma independente ou como apoio a técnicas reprodutivas assistidas.

Cuide de si antes de pensar num bebé!


 

Filipa Ribeiro